Mas, afinal, quanto custa abrir franquia?

Home    |    Blog
Mas, afinal, quanto custa abrir franquia?

Blog / Franquias / Investimentos e Finanças       9 de novembro de 2017

O modelo de franquias surgiu nos Estados Unidos em 1862, através da Singer Sewing Company, fabricante de máquinas de costura. A Singer iniciou um processo de expansão autorizando comerciantes a revenderem seus produtos. A General Motors, sem perceber, também entrou no ramo de franquias. Isso aconteceu em 1898 através de seu conceito de “Concessionária”, por meio do qual, com um modelo de franquias, as vendas de veículos foram revolucionadas em todo o mundo.

Por sua vez, a Coca-Cola lançou sua primeira “Franquia de Fabricação” em 1899, autorizando empresas a produzir e comercializar seus produtos como é feito hoje em todo o mundo.

Desde então, o mercado de franquias está se expandindo por todo o mundo, e não é diferente aqui no Brasil. Esse sistema traz inúmeros benefícios para o franqueado, uma delas é o fator segurança. Como já existe uma marca consolidada e testada, um modo de operação e um público-alvo bem definido, os riscos são bem menores. Além disso, as franquias têm um retorno financeiro muito mais rápido que empreendimentos comuns.

Mas quanto custa abrir uma franquia?

Para ter o direito do uso da marca da empresa franqueadora, é necessário o pagamento da aquisição e arcar com uma mensalidade, que vai depender do segmento da franquia e dos níveis de faturamento. Todos esses valores, além de direitos e deveres, do franqueador e do franqueado, estarão estipulados no contrato.

Existem outras taxas que podem ser cobradas. Todas elas vêm especificadas na Circular de Oferta de Franquia (COF), que é um documento desenvolvido pelo franqueador e que contém todas as condições do negócio, como deveres, responsabilidades das partes e aspectos legais. Portanto, o COF deve ser analisado com cautela pelo franqueado.

O valor do investimento inicial para a abertura de uma franquia varia de negócio para negócio e vai depender do tipo de franquia, segmento de mercado, porte da empresa, força da marca e ponto comercial; e conta o valor gasto com a taxa de franquia, que é o valor estipulado pelo franqueador pelo direito de uso de sua marca e modelo de negócio. Esse valor é pago na assinatura do contrato de franquia. Além da taxa de franquia o investimento inicial, compreende o capital de giro, mobília e reforma (no caso de loja física), estoque inicial, gastos com a contração e treinamento de funcionários e gastos com desenvolvimento de negócio.

O capital de giro é essencial, pois é preciso ter recursos suficientes para sustentar as despesas de seu negócio até que a unidade comece a gerar um fluxo de caixa positivo.

Diversas franquias exigem um de fundo de propaganda, que diz respeito ao montante referente às taxas de publicidade que são pagas pelo franqueado e pelas unidades, que são utilizadas para marketing de toda a rede. O franqueador é responsável pela administração de fundo e presta conta ao franqueado.

Além destes gastos com o investimento inicial, após comprar uma franquia deve-se levar em consideração outros gastos como:

  • Royalty: é a remuneração periódica paga ao franqueador pelo uso da marca, geralmente cobra-se um percentual sobre o faturamento bruto;
  • Renovação da franquia: todas as informações e as taxas sobre a renovação da franquia estão contidas na COF (Circular de Oferta de Franquia);
  • Pró-labore: algumas marcas exigem, no plano de negócio, um salário para o dono da franquia. Caso haja a previsão de pró-labore, certifique-se de uma reserva para esta finalidade;
  • Marketing local e propaganda de sua franquia: além de fundo de publicidade exigido pelo franqueador, é recomendável ter um valor reservado para marketing em sua cidade e região, para que o público-alvo da região saiba da abertura de sua unidade;
  • Despesas de manutenção e reforma: é sempre importante considerar as despesas com manutenção e reforma do ponto comercial, bem como despesas com máquinas e equipamentos para seu negócio.

Para demonstrar quanto custa para abrir franquia, vamos utilizar como exemplo uma franquia financeira: a CredFácil é uma franquia de empréstimos que está em expansão no Brasil. Ela oferece soluções financeiras a todas as pessoas que necessitam de crédito através das instituições conveniadas ou por meio dos franqueados, proporcionando assim, felicidade e realização pessoal a todos os brasileiros.

Investimento

Para a abertura de uma unidade da CredFácil, o investimento vai depender do porte da cidade onde será aberta a franquia e podem variar de 35 mil a 120 mil. Sendo que, para cidades pequenas de até 20 mil habitantes nos estados do Paraná, São Paulo e Santa Catarina, o investimento será de 35 mil, cidades com menos de 100 mil habitantes, o investimento será a partir de 69 mil, cidades acima de 100 mil exigem um investimento de pelo menos 79 mil e o valor de 120 mil é para abertura em capital. O faturamento chega a 200 mil reais e o prazo de retorno é de 12 a 18 meses.

Abrir uma franquia da CredFácil tem grandes vantagens, já que ela não cobra royalties e publicidade, não é necessário ter estoques, máquinas caras, estrutura robusta de TI, aluguéis caros e através de um bom relacionamento com as instituições financeiras, obtemos ótimas comissões para nossos franqueados.

Agora que você já sabe quanto custa abrir franquia, é só se planejar para criar um bom plano de negócios. Não se esqueça de considerar o capital que tem disponível para investir e estude as diversas opções de franquias que existem no mercado. Caso possua dúvidas ou acredite que não tem conhecimento e habilidade suficiente, você pode procurar ajuda de alguém capacitado para evitar problemas na aplicação de seu capital.

Bibliografia Consultada: http://franquiaz.com.br/blog/quais-gastos-terei-apos-comprar-uma-franquia/

Priscila Zuini, PME – Exame, 2016 e Afonso Ferreira Do UOL, em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *